Abandono do regime fiscal é cenário altamente improvável, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira que se houver abandono do regime fiscal, o prêmio de risco associado ao Brasil irá subir e o BC terá que agir segundo o efeito desse movimento na inflação. Ao falar em evento promovido pela Eurasia Group, contudo, ele disse considerar esse cenário "altamente [...]

Campos Neto avaliou que a situação frágil das contas públicas de certa forma já está precificada e que há benefício da dúvida para habilidade do governo em mudar isso (Imagem: Reuters/Adriano Machado) O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira que se houver abandono do regime fiscal, o prêmio de risco associado ao Brasil irá subir e o BC terá que agir segundo o efeito desse movimento na inflação. Ao falar em evento promovido pela Eurasia Group, contudo, ele disse considerar esse cenário “altamente improvável”. Campos Neto avaliou que a situação frágil das contas públicas de certa forma já está precificada e que há benefício da dúvida para habilidade do governo em mudar isso. Ele também afirmou que, a menos que a âncora fiscal do país seja deixada de lado, o Brasil não está e nem deve entrar em processo de dominância fiscal –em que a política monetária não mais consegue controlar a inflação em função da forte deterioração fiscal. Acessar conteúdo completo

Receba nossas novidades em seu e-mail!