De artilheiro a ministro, Martín Guzmán busca salvar economia argentina

Quando Martín Guzmán fazia um PhD em economia na Brown University dos Estados Unidos, ele e dois amigos argentinos formavam parte do time de futebol de seu departamento e chegaram à final do torneio. Perdendo de 1 x 0, o atual ministro da Economia da Argentina fez um gol de empate, mas se machucou, disse [...]

Hoje com 38 anos, Guzmán mantém o mesmo foco para seu novo desafio: administrar a terceira maior economia da América Latina (Imagem: REUTERS/Agustin Marcarian) Quando Martín Guzmán fazia um PhD em economia na Brown University dos Estados Unidos, ele e dois amigos argentinos formavam parte do time de futebol de seu departamento e chegaram à final do torneio. Perdendo de 1 x 0, o atual ministro da Economia da Argentina fez um gol de empate, mas se machucou, disse seu ex-colega de time, Martín Fiszbein, à Reuters. “Ele disse ‘meu pé está me matando’. Eu lhe disse para conseguir um reserva. Ele me olhou e disse: ‘De jeito nenhum'”, contou Fiszbein. Guzmán fez um segundo gol que garantiu uma vitória de 2 x 1 e depois foi para o hospital, onde soube que tinha uma fratura dupla que exigiria uma cirurgia. Hoje com 38 anos, Guzmán mantém o mesmo foco para seu novo desafio: administrar a terceira maior economia da América Latina. No cargo há um ano, ele tem a reputação de ser um tecnocrata inabalável e progressista – embora também seja acusado de intervencionismo às vezes – enquanto lida com uma reestruturação de dívida e uma recessão prolongada exacerbada pela Covid-19. Embora não faça mais gols, na maioria dos dias ele levanta de madrugada para uma corrida no parque, e acaba jantando no ministério na maioria das noites da semana. “O dia nunca termina de verdade”, disse ele à Reuters. Enfrentando uma contração econômica... Acessar conteúdo completo

Receba nossas novidades em seu e-mail!