Governo inclui CoronaVac, Pfizer e Janssen em plano e sobe para 360 milhões previsão de doses de vacinas em 2021

O plano de vacinação contra a Covid-19 apresentado pelo governo nesta quarta-feira passou a incluir a aquisição da vacina CoronaVac, da chinesa Sinovac que está sendo envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, além da compra de medicamentos dos laboratórios Janssen e Pfizer, aumentando a estimativa de doses disponíveis para 2021 para 360,9 milhões. De acordo [...]

Pazuello, no entanto, garantiu que o governo mantém as conversas com o Butantan e aguarda os resultados da Fase 3 dos estudos clínicos da CoronaVac (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino) O plano de vacinação contra a Covid-19 apresentado pelo governo nesta quarta-feira passou a incluir a aquisição da vacina CoronaVac, da chinesa Sinovac que está sendo envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, além da compra de medicamentos dos laboratórios Janssen e Pfizer, aumentando a estimativa de doses disponíveis para 2021 para 360,9 milhões. De acordo com o plano do Ministério da Saúde, além das 210 milhões de doses já contratadas da AstraZeneca/Oxford e das 42,5 milhões contratadas com a Covax Facilities, mecanismo de distribuição de vacinas da Organização Mundial de Saúde (OMS), o governo prevê ainda as já anunciadas 70 milhões de doses da Pfizer e outras 38 milhões de doses da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson. Nesses dois casos, de acordo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, há memorandos de entendimento em vigor e o ministério tenta fechar os contratos em definitivo. Já a CoronaVac –cujo laboratório desenvolvedor, o chinês Sinovac, não é citado em nenhum momento, com a vacina sendo atribuída apenas ao Instituto Butantan– é citada, ao lado de outras três empresas, a indiana Bharat Biotech, a russa Gamaleya e a americana Moderna, entre aquelas com as quais o governo tem memorandos de entendimento, mas sem ainda... Acessar conteúdo completo

Receba nossas novidades em seu e-mail!