Se houver necessidade Bolsa Família pode ficar maior em 2021, diz Funchal

O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, afirmou nesta quarta-feira que o Bolsa Família pode ficar maior no ano que vem, desde que haja respeito ao arcabouço fiscal. Em coletiva de imprensa por ocasião do lançamento de relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o Brasil, ele lembrou que, no projeto orçamentário para [...]

Se houver necessidade é óbvio, respeitando nosso limite de gastos e a realocação do orçamento, pode ser sim revisto para cima (Imagem: Flickr/Edu Andrade/Ascom/ME) O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, afirmou nesta quarta-feira que o Bolsa Família pode ficar maior no ano que vem, desde que haja respeito ao arcabouço fiscal. Em coletiva de imprensa por ocasião do lançamento de relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o Brasil, ele lembrou que, no projeto orçamentário para o próximo ano, o volume de recursos para o programa já havia sido aumentado em 5,4 bilhões de reais na comparação com o Orçamento de 2020, a um total de 34,9 bilhões de reais. Isso ocorreu pela expectativa de que, na esteira da pandemia de Covid-19, mais famílias passem a se enquadrar nos critérios de admissibilidade do programa. “É um programa que tem funcionado. Se houver necessidade é óbvio, respeitando nosso limite de gastos e a realocação do orçamento, pode ser sim revisto para cima”, disse Funchal. Também presente na coletiva de imprensa, o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, avaliou que a vacinação contra o coronavírus será “importantíssima” para a população se sentir mais segura no Brasil, o que fará com que a economia volte com mais força. “Nós aqui na Economia temos feito de tudo para prover todos os recursos necessários para esse momento”, disse. Acessar conteúdo completo

Receba nossas novidades em seu e-mail!