Vitória de Biden pressiona Bolsonaro a encarar nova realidade

O presidente Jair Bolsonaro passou dois anos ignorando críticas à sua política ambiental, desdenhando de cientistas do clima e minimizando queimadas na Amazônia. Mas com seu principal aliado internacional prestes a deixar a Casa Branca, Bolsonaro terá que decidir até onde está disposto a seguir na contramão de uma grande parte do mundo em matéria [...]

Deixar a Amazônia aberta para negócios tem sido uma bandeira de Bolsonaro, que vê a floresta como um ativo a serviço dos interesses soberanos do Brasil (Imagem: Reuters/Adriano Machado) O presidente Jair Bolsonaro passou dois anos ignorando críticas à sua política ambiental, desdenhando de cientistas do clima e minimizando queimadas na Amazônia. Mas com seu principal aliado internacional prestes a deixar a Casa Branca, Bolsonaro terá que decidir até onde está disposto a seguir na contramão de uma grande parte do mundo em matéria de meio ambiente. As opiniões polêmicas de Bolsonaro sobre clima e seu fervor por Donald Trump preocupam cada vez mais até mesmo membros do governo brasileiro devido aos danos de longo prazo, segundo duas pessoas com conhecimento direto do assunto. Na terça-feira, Bolsonaro foi um dos últimos líderes mundiais a parabenizar o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, e isso ocorreu somente após sua vitória ser confirmada pelo Colégio Eleitoral. Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil, se disse preocupada com a possibilidade de o Brasil acabar sem “nenhuma agenda substancial com os EUA” caso Bolsonaro não adote certo pragmatismo para administrar sua relação com a Casa Branca sob Biden. Sem estímulo para manter contatos regulares entre autoridades e a comunidade empresarial, pode haver impacto no comércio e nos investimentos, afirma Vieitas. Deixar a Amazônia aberta para negócios tem sido uma bandeira de Bolsonaro, que... Acessar conteúdo completo

Receba nossas novidades em seu e-mail!